Buscar
  • Gabriello

O começo de tudo

Olá, esse é o primeiro post desse blogzinho que eu to fazendo sobre a minha transição. Então acho pertinente escrever aqui como diabos eu me descobri trans.

Bem, em primeiro lugar meu nome é Gabriello (sim, era Gabriella antes haha) e eu tenho 23 anos no momento. Eu me assumi pra mim mesmo finalmente com 22. Eu vou excluir alguns detalhes sórdidos sobre minha jornada porque são coisas meio pessoais demais, mas vamos lá.

Tudo começou quando eu era bem pequeno. Eu sempre rejeitei a ideia de ser "mãe". Não brincava com bonecas bebês e enquanto as meninas se matavam pra ser a mãe quando a gente brincava de casinha eu tava sempre de boas querendo ser a irmã ou algo assim lol. Fora isso minha infância foi bem normal, eu gostava de coisas fofinhas e brincar com os bichinhos das barbies. E videogames.


Eu com 14 anos eu acho

Um tempo passou e eu tive educação sexual na escola e descobri o que era gravidez. Naquele momento eu decidi que pra mim aquilo era nojento e não natural e que eu nunca queria passar por isso. Eu lembro de me sentir uma merda quando eu menstruava porque era como se meu próprio corpo tivesse me traindo. Olhando pra trás, provavelmente foi a primeira vez que eu senti disforia na vida.

Daí veio a maldita puberdade :3. Lembro que minha vó queria a todo custo que eu fosse uma menina "normal". Me forçava a ir no salão fazer as unhas, comprava roupas que eu nunca ia usar, queria que eu saísse pra festinhas, etc. Mas eu só queria usar preto, maquiagem emo e ficar em casa com meus amigos virtuais. Depois de um tempo eu comecei a gostar de roupas mais alegres mas o resto se manteve. Eu também acabei desenvolvendo uma afinidade bem grande por falar palavrões demais. Oops.


Então vieram os famigerados peitos. Não vou mentir, no começo eu amava eles porque eu me sentia um patinho feio e eles eram a única coisa que eu tinha que era "superior" as outras meninas. Idiota? Muito provavelmente, mas na época me deixava feliz. Até que eles cresceram demais e começaram a incomodar. Eu odiava a sensação dos peitos tocando a minha pele, nunca gostei de ficar sem sutiã por isso. Eu olhava no espelho e achava eles horríveis, um negócio que não me pertencia. Daí eu fiz uma redução e tudo ficou bem por enquanto em relação a eles. Eu ainda odiava sentir eles mas achava que era normal. Depois de um tempo eu comecei a dizer que quando eu fosse mais velho eu ia tirar o máximo possível que dava, porque eu simplesmente odiava ter que lidar com peitos. Enfim, vou falar mais deles depois mas enquanto essa é a história da minha relação problemática com meus peitos.


15 anos e uma fanta

Bem, eu sempre gostei de anime e foi com animes que eu comecei a descobrir minha sexualidade. Mais precisamente com yaoi* de qualidade questionável. Só que eu via aquela porcaria e ficava pensando "mas puta merda por que eu não sou homem?" e ficava pensando quão massa seria ter um pênis. Enfim, eu achava que era isso que toda menina sentia quando via então ignorei totalmente isso. Mas só que tipo, não era um desejo momentâneo de ser homem, era uma frustração tão grande que eu acabei criando um personagem pra meio que "viver" por ele.


*mangá ou anime com relações homossexuais entre homens



Tsubasa/Abel, design atual

Apresento-lhes Abel, na época chamado de Tsubasa. Ele era perfeito e era tudo que eu queria ser na vida e tinha tudo que eu queria também. Uma mary-sue completa na época? Com certeza, mas era meu amorzinho. No começo ele era um Neopet e ele era quem eu mais usava pra fazer roleplay com meus amigos. Ele chegou a ter uma namorada, a Louyine, mas depois ficou com um namorado mesmo, o Toshi/Cecil. Por que ele é importante? Por que como eu disse, eu vivia o que eu queria da minha vida através dele. Óbvio que isso era feito de forma inconsciente, hoje em dia que olhando pra trás eu consigo ver essas coisas.


Eu vou agora direto pra parte da faculdade. Basicamente foi a parte mais feminina da minha vida. Eu tinha um namorado chamado Suco (ok, era só o apelido). Eu não vou entrar em detalhes sobre a nossa relação, mas ele tinha uma obsessão bizarra pelos meus peitos (ok, talvez não tão bizarra, afinal ele é um homem hétero) e isso fez eu ter uma repulsa ainda maior por eles. Outra coisa é que eu era extremamente dependente emocionalmente dele e sacrificaria qualquer coisa da minha saúde mental pra ficar com ele na época. Eu vivi essa época como mulher cis bem normal, usando vestidinhos e maquiagens e fazendo de tudo pra agradar o macho. Não que eu não gostasse dos vestidos e maquiagem, mas muita coisa eu fazia porque ele gostava e ficava feliz. Era tipo, minha motivação, sabe?


Não lembro minha idade mas deve ser entre 19 e 21

Eu tinha deixado o Abel um pouco de lado na faculdade mas assim que eu terminei a faculdade eu resolvi fazer um jogo dele, já que eu o amava tanto. Era uma visual novel. Abel sempre foi um pouco andrógino, mas eu queria deixar claro no jogo que ele era HOMEM, então coloquei uma cena onde confundem ele com uma menina e ele fica meio puto. Uma amiga minha que é trans me deu uma puta bronca merecida dizendo que a cena tava transfóbica e tal. Acabei tirando a cena e tal, mas o que abriu a caixa de pandora foi uma pergunta que ela me fez.

"Por que é tão importante pra ti que o Abel seja homem?"

Poisé, eu pensei a pensar sobre isso e cheguei a conclusão que Abel é parte de mim e parte de mim era homem. Só podia ser isso. Eu não podia simplesmente SER homem porque isso acabaria com a minha relação, só podia ser uma parte. Daí eu comecei a achar que eu era genderfluid. Só quero deixar claro aqui que não tenho nada contra pessoas genderfluid e não binárias, eu só não sou, ok?

No fim nada mudou, eu as vezes usava pronomes masculinos pra me referir a mim mesmo mas era isso.

21 anos, em um dia que eu estava usando ele/dele

Sinceramente eu não tava feliz com a situação. A frase ainda tava na minha cabeça e cada vez menos eu me via como mulher cis. Talvez eu só fosse uma mulher-não binária né? Isso não ia afetar minha relação!! Obviamente também não mudou nada, afinal nem tem pronome neutro em português. Bah eu já tava cansado dessa ladainha então resolvi fazer uns experimentos. Cortei meu cabelo super curto, comecei a usar umas roupas mais andróginas e viver assim. E uns sentimentos estranhos vieram com isso.


22 anos

Eu lembro de me olhar no espelho e as vezes ver um menininho olhando de volta. Isso me fazia feliz. Eu lembro de colocar tops pra esconder meus peitos e me sentir super bem assim. Eu me sentia...em casa. Mas pela minha relação, eu ignorei isso e continuei a viver como mulher mesmo. Até que um dia eu tava tomando banho e um pensamento invadiu a minha cabeça.

"Tu nunca vai ser homem."

Cara, isso simplesmente me destruiu. E eu sabia porque. Porque foi aí que eu saí do armário pra mim mesmo. Foi aí que eu me aceitei. Eu era trans. E eu sabia que isso ia destruir minha relação com o Suco.

Saí do banho, e dessa vez o pensamento foi

"Não, eu SOU homem, porra"

Eu falei pra ele. Obviamente eu falei que ele podia continuar me chamando de ela, e que eu não ia fazer TH, só tirar os peitos. A gente foi até morar junto depois. Vou resumir, mas basicamente isso não funcionou e a gente se separou. Foi horrível mas foi libertador. Pude comprar um binder e roupas masculinas sem ter medo de desagradar ninguém. Pude parar de depilar minhas pernas por ele e não precisava mais desistir dos meus pronomes certos. E agora eu podia pensar em começar TH.


22 aninhos e e fora do armário :3

Enfim, foi assim que eu descobri que eu sou trans, faço mais posts depois, beijunda <3

121 visualizações